sexta-feira, 17 de setembro de 2010

A FACE OCULTA DA LUA

    No post “A História de um Emblema” transcrevi excertos do escrito de Fernando Pimentel, onde ele nos descreve o quando e o porquê de ter desenhado o emblema da Académica. Nesse artigo ele diz também que o distintivo surgiu num ápice (…) animado pelo fervor académico que sempre entusiasmava a rapaziada do meu tempo (…) e com aquela inspiração que pelo menos uma vez na vida nos bate à porta e nos transforma em génios… mas nada adianta sobre a fonte de inspiração para tão belo trabalho.
    Acredito que tenha sido num ápice. Mas diz o ditado que quem encontra sem procurar é porque já muito procurou sem encontrar. O que andaria então há muito na sua cabeça para que, num ápice, saltasse assim para a prancheta? Donde lhe terá vindo a ideia? E como evoluiu até à versão final? Primeiro a torre e depois as letras ou vice-versa? E o formato em “losango”? De onde lhe veio ideia tão bizarra?
    E porque é que a torre do emblema original - vide cartão do Isabelinha - não tinha pau de bandeira, nem grades no topo, nem ponteiros no relógio, nem sinos, nem mais do que duas janelinhas, para desgosto dos designers de hoje que se engalfinham a esboçar-lhe variantes que não lhe acrescentam nobreza ou elegância alguma? – Ó Dr. Fernando Pimentel! Será que o senhor, que tão bem soube conceber o emblema, não sabia desenhar a torre como ela era? O senhor que, ainda por cima, passou pelas Belas Artes no Porto antes der vir cursar Medicina em Coimbra? Ou será que a torre era diferente àquela data? Ou será que era igual, o doutor sabia desenhá-la, mas por muito boas razões achou que assim ficava melhor?
    Foi a procura de respostas para estas questões que me levou a Coimbra num dia de de verão, fazia o emblema 75 anos de idade.
    Tendo já apurado que a torre, cuja construção custou 14:543$522 reis em 1733, não sofrera qualquer alteração no último século, e tendo na memória o que me fora em pequeno transmitido pelo meu Pai - que a mancha negra do emblema correspondia ao telhado dos Gerais - fui até ao Pátio da Universidade, na esperança de recrear o momento de inspiração do Fernando Pimentel. Ia certo de que a inspiração lhe viera ao contemplar o conjunto arquitectónico dos Gerais, em cuja escadaria não há estudante de Coimbra que não tenha posado para mais tarde recordar...   
    Eram 3 da tarde. Percorri debaixo dum sol implacável o espaço que vai da Porta Férrea ao centro do Pátio. Imaginei como felizes seriam os estudantes de 1927 por terem o pátio coberto de árvores frondosas. Olhei a torre e os Gerais, procurando ajustar o conjunto ao emblema. E aí… 
    ... o espanto foi tanto que cheguei a julgar que era o sol a pino quem me toldava a vista. É que a chave do enigma não estava ali!!! Se o estudante de Medicina se tivesse inspirado na vista de dentro do pátio, o emblema seria outro, com a torre do lado esquerdo!… Afinal, para Fernando Pimentel havia uma outra tomada de vista, do lado de fora do pátio, diferente da que fica normalmente na retina de quantos estudaram em Coimbra.   
    Mas mal tinham começado os meus espantos. Saída a Porta Férrea na procura do “outro lado da lua”, constatei, então, que podemos percorrer toda a Coimbra sem mais encontrar a vista sugerida pelo emblema: a tal pendente do telhado dos Gerais subindo inclinada, a partir da torre, para o seu lado esquerdo. Estranho relevo este duma cidade que só permite tal visão a partir de dois pontos. Um deles no alto da Conchada, demasiado longe e difuso para poder ter inspirado quem quer que fosse. O outro, localizado nos últimos andares de meia dúzia de casas nas Ruas do Loureiro e da Boavista, na encosta a norte da Sé Velha, onde tenho boas razões para pensar que terá vivido ou, pelo menos, estudado, o autor do emblema, daí tirando a inspiração para o seu feito.   
    Não é fácil a um “louco de Lisboa” incomodar meio mundo na procura do melhor ângulo para uma chapa, seja da gateira do telhado num quarto de estudante, seja do cimo dum muro de quintal, seja a partir do Palácio de Sub-Ripas, seja duma janela nas traseiras da casa onde uma placa assinala a passagem de Eça de Queiroz enquanto estudante. Mas, uma vez aí chegados, à vista dos contrafortes daquilo que foi a antiga alcáçova de emires e morada dos primeiros reis de Portugal, é então que nos damos conta da verdadeira forma dos telhados circundantes da torre, onde reside, afinal, a chave para todos os enigmas:
    • Os contornos do emblema terão sido inspirados pelo recorte do telhado poente (à direita na figura), o qual não é visível do interior do Pátio.
    • O emblema terá sido inicialmente imaginado em losango, já que a pendente dos telhados (> 45º) a tal obrigaria.
    • A forma final, quadrangular, poderá ter resultado da necessidade de dar mais estabilidade ao desenho e melhorar a estética geral do emblema.
    • A torre, que já dificilmente cabia no losango, teria fatalmente de ser alterada nas suas proporções ao passar para o quadrado. E a forma mais elegante de o fazer seria estilizá-la e redesenhar a superestrutura, eliminado pormenores como as grades, o pau da bandeira e os sinos, os quais não mais conseguiriam ser arrumados no espaço existente sem ferir o equilíbrio do conjunto.
    Nunca consegui confirmar se Fernando Pimentel viveu ou estudou numa das poucas casas (ou quartos) donde é possível desfrutar aquela vista. Mas depois de ter estado naquela janela… e de ter sentido a força da imagem da torre… tão perto, tão imponente, tão impressiva, juraria que foi dali que saltou a centelha que, no dizer de Fernando Pimentel, pelo menos uma vez na vida nos bate à porta e nos transforma em génios...
    Zé Veloso

domingo, 5 de setembro de 2010

A HISTÓRIA DE UM EMBLEMA

    Se perguntarmos a um taxista de Lisboa como é o emblema da Académica, ele nos dirá que é preto e branco e que tem a forma de um quadrado. Se a mesma pergunta for feita a um taxista de Coimbra, por certo acrescentará que o quadrado tem dentro as letras da Académica e a torre da Universidade. Se a questão for colocada a alguém “com estudos”, a resposta será idêntica à do taxista de Coimbra, com uma só diferença: dirá que tem a forma de um losango... refinamento de linguagem perfeitamente escusado, já que um quadrado não deixa de o ser por ter os lados a 45º com a horizontal, o que prova que, para bem entender as coisas simples, a instrução de pouco serve e, às vezes, até atrapalha.
    E é precisamente aí, na sua forma quadrada, rodada em relação ao que é o standard, que reside a grande força distintiva do nosso emblema, cuja identidade logo salta à vista a léguas de distância.
    Qualquer designer de hoje sabe que a qualidade de um logótipo ou de uma marca está na simplicidade da ideia, no reconhecimento fácil da mensagem, na sua imediata identificação. Isto sabem os designers de hoje. Mas como seria há oito décadas, na época em que o emblema de uma qualquer colectividade costumava albergar uma amálgama de motivos só reconhecíveis à lupa, não fosse ficar de fora alguma parcela do seu objecto social?
    Pois bem, há mais de 80 anos, mais propriamente na época futebolística de 1927-28, havia em Coimbra um estudante de medicina com jeito para o desenho, Fernando Ferreira Pimentel de seu nome, a quem o director desportivo da Briosa, Armando Sampaio, haveria de pedir para desenhar um emblema, o que o estudante fez por amor à camisola.
    A primeira remessa veio de Paris, não no bico de uma cegonha, como acontecia na altura com os meninos, mas por certo de comboio. Custaram 1$00 cada mas foram vendidos a 5$00, preço elevadíssimo para a época. Os honorários do designer… esses saldaram-se com a dádiva de um emblema. Outros tempos...
    Li algures que o Dr. Fernando Pimentel, entretanto formado, teria chegado a ser médico da Académica, facto que a excelente “bíblia” de João Santana e João Mesquita não confirma mas também não permite desmentir.
    Certo é que, em Junho de 1957, Fernando Pimentel publicou um artigo na revista Rua Larga, há muito extinta, onde conta como as coisas se passaram. E nesse artigo escreve, a dado passo:
    “Até ao ano de 1926, o emblema que representava a Associação Académica nas festas ou cometimentos desportivos era uma capa de estudante erguida num pau ou num mastro de bandeira. Recordo-me, contudo, de ter existido, por essa época, um emblema de forma rectangular, encimado pela legenda “Mens Sana” e tendo como desenho um conjunto de figuras geométricas pretas e brancas, sem sentido, que alguns estudantes usavam na lapela, mas cujo significado, em relação à Associação Académica, nenhuma afinidade representava.
    “Na época de 1926-27 (...), a ideia do emblema começou a despontar e, num célebre desafio com o Sporting em Lisboa, o grupo da Briosa apresentou-se com emblemas na camisola “bordados por delicadas mãos de senhora”, emblemas esses em que figuravam apenas as letras AAC(…).
    “Como, porém, o resultado da pugna nos foi desfavorável (só perdemos por 9 a 1) as culpas não caíram sobre o Armando Sampaio, o guarda-redes, mas sim sobre os estreantes emblemas, que, no regresso, amaldiçoados, foram arrancados e votados ao ostracismo.
    “Os tempos correram e, sem emblemas, repetiram-se os revezes e as glórias até que, em 1927-28,...”. Bem, a partir daqui foi o convite a Fernando Pimentel e a rápida feitura do emblema, o qual presumo que tenha sido utilizado ainda nessa época futebolística, embora não o possa confirmar. Mas certo é que o emblema desenhado para a equipa de futebol foi de seguida adoptado pela AAC no seu conjunto e assim se manteve, no essencial, até hoje.
    Fernando Pimentel faleceu com 89 anos a 24 de Agosto de 1994. Nunca o conheci pessoalmente mas hoje, depois de analisar em detalhe o seu (nosso) emblema, gostaria de lhe ter colocado umas quantas questões que me têm intrigado sobre a forma como a ideia surgiu na sua cabeça e como o desenho evoluiu até à versão final. É matéria que deixo para o próximo post, fica desde já prometido.
    Mas para que não fique por contar toda a história do emblema, refiro outras tentativas anteriores a 1927, nomeadamente, um escudo esquartejado onde se inseriam também as insígnias das várias Faculdades da Universidade, ou seja, um emblema “à antiga”, e uma outra tentativa, bem menos ortodoxa: a 31 de Janeiro de 1924, no particular Académica - Salgueiros (1-0) disputado na Ínsua dos Bentos, hoje Parque da Cidade, toda a equipa se apresentou com uma figurinha de tricana amorosamente colocada por cima do coração (vide o guarda-redes João Ferreira). Seria para acirrar o futrica, aquele que em tempos se terá chamado de “fitrica”, filho de tricana?
    Depois queixem-se que no Académica-União para apuramento do campeão de Coimbra de 1927-28 a pancadaria em campo fosse de tal ordem que o jogo tenha terminado 12 minutos antes do tempo com uns a malhar nos outros e a GNR a ajudar à missa…
    Zé Veloso

    Ver continuação em A FACE OCULTA DA LUA.